Você sabe o que é a "Low Touch Economy"? - amplavisão » blog

Hoje, manter as coisas “Low Touch” (com pouco contato) é uma prioridade para empresas e governos. Operações inteiras estão sendo repensadas, levando em consideração medidas de saúde e segurança. Este é o novo estado da nossa economia.
O modelo Low Touch Economy é normalmente aplicado em atividades de vendas, atendimento e customer success sendo definido pelo baixo nível de interação entre pessoas nos sistemas corporativos, é de forma geral aplicado em sua forma completa, mas também híbrida de acordo com as especificidades das atividades.

O modelo minimiza ou até elimina a interação entre pessoas, para isso é necessário aprimorar a experiência dos clientes e colaboradores.

Alta tecnologia e pouco contato físico.

A transição para operações online estava em muitos planos de estratégias de negócios, mas ainda era algo que não estava previsto para “agora”, mas sim para o futuro. Com a pandemia do coronavírus (2020-2021) esse processo de digitalização teve que ser acelerado, visto que sem “Digital” o modelo não se sustenta.

Colaboradores em casa e clientes também!

As empresas que nada tinham estruturado se viram obrigadas a criar uma estratégia alinhada ao seu negócio para não deixar de suportar seus times e de atender seus clientes, sem isso em um curto prazo a consequência seria a de “sumir do mercado”, companhias sem uma estratégia de presença digital forte perceberam uma queda instantânea na demanda. Desde o fim da década de 90 e início dos anos 2000 é fundamental estar presente e relevante no ambiente digital.

Apoiar seu time, seus negócios e marcas com conteúdo criativo e envolvente por meio de canais sociais de integração, reuniões remotas e no que diz respeito especificamente aos clientes, promover o consumo por meio de tecnologia digital.

A palavra de ordem é: engajamento. Tanto o time quanto o cliente precisam estar engajados e o caminho para isso é novo para muitas empresas.

O suporte tecnológico é fundamental para o consumo, bem como para nossos hábitos e valores.

Como resultado das relações comerciais sem contato, estilos de vida mais saudáveis têm adoção mais provável, uma revolução no modo como as pessoas vão consumir está em curso, parece clichê, mas poucas coisas serão como antes no mundo pós-pandemia. As pessoas não querem ser vulneráveis a doenças semelhantes a COVID em um futuro próximo.

Então, como você vai fornecer valor virtual para seus consumidores em uma economia com pouco contato? 

Aqui vão alguns exemplos divididos por mercados:

CUIDADOS DE SAÚDE (Healthcare)

Promover telemedicina. Construir ferramentas que permitam que profissionais de saúde forneçam cuidados aos pacientes por meio de uma interface única e amigável para: agendamento de consultas, exames e procedimentos, visualização de resultados, check-in para confirmação prévia de comparecimento, pagamento de consultas e muito mais.

ARTES

Criar experiências virtuais. As experiências na web e via apps imitam a experiência pessoal de visitar galerias de arte e shows, incentivar o público a conectar-se por meio do digital com a equipe do espetáculo bem como com o artista é uma nova forma de vivenciar a arte.

COMPANHIAS AÉREAS

Melhorar a jornada do passageiro de companhias aéreas. Fornecer detalhes sobre transporte terrestre, clima e status do voo. No aeroporto, os usuários podem receber atualizações de status de voos e acessar informações úteis como a distância até o portão de embarque, detalhes de retirada de bagagem e opções de compras em restaurantes nas proximidades. Também podem encomendar comida em restaurantes, economizando tempo e permitindo um maior distanciamento social. Usar a tecnologia iBeacon* em todo o aeroporto para fornecer assistência personalizada com wayfinding (orientação), além de ofertas baseadas em localização.

ACADEMIAS DE GINÁSTICA

Fornecer aos membros experiências de exercícios em casa, desde aulas em streaming ao vivo e aulas sob demanda até acompanhamento de progresso pessoal. Além de manter os membros atuais envolvidos remotamente, permite que as academias ofereçam ofertas flexíveis e à la carte.

BENS DE CONSUMO

Tornar as compras de supermercado mais eficientes e personalizadas. Permitir aos usuários inserir uma lista de compras e fornecer a localização de supermercados, bem como oferecer promoções personalizadas em um checkout remoto e sem contato. Os varejistas ainda podem aproveitar os dados dos clientes para enviar ofertas contextuais mais relevantes no futuro, ou até mesmo, sugerir itens que já estejam perto do término na casa do consumidor com base em compras anteriores.

RECURSOS HUMANOS

Criar ferramentas de RH centradas no funcionário. Para manter uma força de trabalho remota engajada. Permitir análises remotas de desempenho, incluindo autoavaliações, feedback de gestores e colegas e estabelecimento de metas individuais.

A amplavisão é especialista em transformação digital sob-medida, vamos conversar?

Chama no Whats – clique aqui