Requalificação/ Reskilling — 6 razões para estar otimista sobre o futuro do trabalho - amplavisão » blog

O caminho para uma vida estável parece cada vez mais difícil de achar por um número crescente de pessoas. Um fator-chave que impulsiona essas preocupações é o quanto as oportunidades de encontrar trabalho estável e significativo se polarizaram cada vez mais, favorecendo os que têm a sorte de viver em certas regiões e de manter certas habilidades sob demanda. Precisamos de um futuro em que uma gama de opções se abra para muitos, não apenas para poucos.

Como podemos preparar todos para a perda de alguns trabalhos — e as novas oportunidades — a caminho?

Aqui estão seis descobertas extraídas do relatório, do Fórum Econômico Mundial “Towards a Reskilling Revolution: A Future of Jobs for All”, na criação de um futuro com empregos para todos.

Definição de Reskilling: processo de aprender novas habilidades para que você possa fazer um trabalho diferente ou treinar pessoas para fazer um trabalho diferente, ou seja, requalificar-se, um processo de requalificação.

Novas oportunidades de emprego existem

Perder o conforto do que é familiar pode ser difícil — mas existem oportunidades tangíveis. O novo relatório do fórum econômico mundial conclui que, com algumas novas aquisições de conhecimento (reskilling), o trabalhador médio dos EUA tem não menos que 48 novos caminhos de carreira “adequados” para escolher. O crescimento é esperado em uma série de setores — de TI e infraestrutura até saúde e educação. Olhando além desse crescimento imediato, o futuro do trabalho está em nossas mãos. Podemos moldar como a tecnologia aumenta as oportunidades de trabalho e realização e não acabar com elas.

Mas uma revolução de requalificação será necessária

Talvez uma das razões pelas quais existe preocupação entre trabalhadores, empresas e governos no que diz respeito ao futuro do trabalho é que poucas economias possuem mecanismos robustos de requalificação para adultos. Quando pensamos em aprender, pensamos em uma criança aprendendo, não em um adulto. Por muito tempo, a mobilidade social por meio da educação era algo para o qual o terreno era preparado cedo na vida. Nada menos que uma revolução em requalificação será necessária para ampliar as oportunidades para todos — incluindo os três bilhões de trabalhadores que já estão na força de trabalho global.

A revolução trará retornos

O que é extremamente necessário para desbloquear essa visão é a disposição da parte dos líderes — e dos próprios trabalhadores — de fazer os investimentos certos em qualificação e requalificação.

Os maiores retornos serão para os próprios trabalhadores. Descobrimos que, do projeto de 1,4 milhão de empregos a serem removidos nos EUA até 2026, aqueles que passarem por reciclagem para fazer uma transição de emprego poderão ver um aumento salarial médio anual de US$15.000. Mas os negócios também serão beneficiados na forma de talentos que os fortalecem especialmente em funções que, de outra forma, permaneceriam vazias.

Os dados podem nos ajudar

Com base em uma análise comparativa de dados de habilidades semelhantes entre tarefas, o relatório apresenta uma série de mapas de transição de trabalho que expõem as opções viáveis ​​de reciclagem para trabalhadores com tipos de trabalho em declínio. Por exemplo, os trabalhadores da linha de montagem nos Estados Unidos com a possibilidade de perder os seus empregos podem encontrar 59 trajetórias de carreira alternativas. Os caixas de comércios sem emprego por conta dos sistemas automatizados de autoatendimento e o aumento do comércio eletrônico podem procurar trabalhar em serviços de alimentação, tornando-se baristas, gerentes de lojas, ou se tornando funcionários de empresas de viagens.

A igualdade entre os sexos terá de ser ligada à reeducação

Homens e mulheres que estão em risco de perda de trabalho atualmente têm opções muito diferentes para encontrar novos empregos — as mulheres têm cerca de metade das oportunidades que os homens têm. No modelo testado no relatório do Fórum Econômico Mundial, as transições combinadas de qualificação e trabalho levariam a uma lacuna de oportunidades ligeiramente mais estreita e aumento de salários para 74% de todas as mulheres com trabalhos atualmente em risco, enquanto o valor equivalente para homens é de 53%. Há uma oportunidade para fechar lacunas de gênero persistentes, adotando uma visão de gênero desagregada quando se trata de requalificar os esforços e garantir que tanto mulheres como homens recebam treinamento para ter acesso aos empregos com crescimento mais promissor.

A coordenação para transições de trabalho será o maior desafio do nosso tempo

Em 2026, sem qualquer reciclagem, 16% de todos os trabalhadores sem emprego nos EUA se encontrariam em um beco sem saída e um em cada quatro descobriria que têm no máximo três transições de emprego em potencial para escolher. Com a reciclagem, descobrimos que mais de 95% dos trabalhadores sem trabalho poderiam entrar em empregos novos, geralmente com renda mais alta. No entanto, isso exige que 70% dos trabalhadores afetados recorram a uma nova “família” ou carreira profissional. Isso apresenta um problema de coordenação. Para resolvê-lo, precisamos de esforços conjuntos de empresas, formuladores de políticas e várias partes interessadas para pensar de forma diferente sobre o planejamento da força de trabalho — e trabalhar uns com os outros. Precisamos de iniciativas de requalificação que combinem programas de reskilling com programas de fomento a renda e de correspondência de postos de trabalho, para apoiar plenamente os que estão passando por esta transição.

Baixe o relatório completo em Inglês: https://www.weforum.org/reports/towards-a-reskilling-revolution

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *